Páginas

sábado, 6 de dezembro de 2008

Noite de Dormência

.
.
.

Noite de Dormência

"Estava na beira da praia
ouvindo as pancadas das ondas do mar."

Na dormência da noite
O vento leva as areias.
Um círculo falando de sereias
Que partem os corações viris.

O mar cantarola, faz melodia
Com leves longas notas sutis.
Na pele solidões febris
Vontade e receio nas veias.

E ainda que o amor açoite,
Após o dia vem a noite,
vem Baco, estrelas, ventania.

E o homem que ao sol sofria,
Bebe e ri à meia-noite,
Pra virar cinza ao meio-dia.



(Lalo Oliveira)

.

15 comentários:

Ingrid #) disse...

Engraçado quando Baco serve de companhia pros homens. Depois ainda dizem que é mulher que gosta de fofocas e segredos. Eu fico imaginando o que tanto o sol escutou depois que esse 'carinha' virou cinderela e foi embora.

enfim, você entendeu. hehe
eu já disse que gostei, não disse? :) =*

outono disse...

olha só lalo deixando de ser modernista... =x

Mike Augusto disse...

Cheio de significados o poema! PS: eu estava lá, apesar de não aparecer na figura. HEHE

Aline Dias disse...

tem um ritmo bacana. todo uym cuidado e uma força que fazem valer à pena ler com calma.

epifannias disse...

nossa muito lindo, e nada mais belo que sentar em frente ao mar e ouvir seu som

[ rod ] disse...

Leve lirismo que encanta de tão belo.

Pode a nobreza da noite arrumar a tempestiva ventania do meio-dia?

Certamente...

Abçs meu caro,



Novo Dogma:
doM...


dogMas...
dos atos, fatos e mitos...

http://do-gmas.blogspot.com/

Cáh Morandi disse...

Mas esse blog tá muito lindo.

Beijo

Uma certa cecilia disse...

Adorei a sutileza do teu blog...
Parabéns

Ana Lucia Nicolau disse...

lindo!!!!!!!!!

Nina Ferreira disse...

Mágico, meu velho.
Das vezes que vim aqui e li seus poemas. Esta foi a que mais de deixou satisfeita.
Deverias musicá-la.

Menino Poeta disse...

nossa! sentir o mar, o vento e fecha os olhos! é uma sensação que só o poeta pode descrever! belo o seu post

Trujillo disse...

O eterno resnascimento. O aprendizado que nunca acaba. A Torre que teimamos em derrubar. Gostei muito. Como sempre a poesias nos fazem flutuar em um munto que se tornou paralelo. Com o tempo ele retornara a sua origem no real de nossos pensamentos.
Obrigado pelo post no meu blog. Um comentario que fiquei lisojeado. Jorge Amado. PAra ancaça-lo é necessários várias vidas. Moldar palavras em memórias é um dom. Esse que exige muitas vivências. Em vários e vários mundos.
Espero que apareçasempre por lá para deixar seus comentários.
Abrçs.
Trujillo

André disse...

lindo. embora meu mundo esteja muito longe.
www.blogdaincerteza.blogspot.com

Everaldo Ygor disse...

Amigo Poeta!
Isso é lindo, ao ler e reler penero em certa dormência, viajo em suas linhas... E ao final cinzas como deve Ser...
Enfim, belo!
Abraços
Everaldo Ygor

Gabriela. disse...

Aah esse é um olhar lindo de poeta sobre o mundo! Gosto muito dessa sua poesia!