Páginas

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

O Abraçador



Era um homem de ar leve
Que a todos abraçava
E tinha abraços para tudo.

Gente que conhecia,
Que nunca via,
Desconhecia e veria,
Gente tão sempre incomum
De se ver abraçada.

Para cair nos braços de anjo,
Naquelas asas,
Não era preciso ter sorte.

Quando o homem morreu,
Disseram qua nada mais abraçaria.

Morreu de braço abertos
E levemente sorria,

Como que para abraçar a morte.


(Lalo Oliveira)


15 comentários:

MqV disse...

Diante de tal: Abraços!

Ingrid #) disse...

um abraço de asas? nossa, incomum mesmo :)
adorei. :*

Anônimo disse...

MeninO q maravilhoso

e q abç isso deveria ser feito...

Nina Ferreira disse...

Por que não abraçar a morte?

Paulão Fardadão Cheio de Bala disse...

Q malucão, hein?

Feänor disse...

É uma pena que hoje em dia, de tão frios que nos tornamos, 5enha surgido o personagem do abraçador. Em outros tempos, todos seriam seu espelho...

Afiado com os poemas, como sempre. Gostei do teu final, mas sou suspeito pra falar.

Um grande abraço!

Gabriele Fidalgo disse...

Belíssimo!

Only feelings... disse...

=D
^^
baby!!!
:***

Tania Montandon disse...

muito bom, arrepiei, tocou! a magia do abraço se mesclando de poesia, que beleza não daria?!

parabéns!

Mana Oliveira disse...

Essa poesia me fez lembrar de um caítulo do livro de Gabo que eu tô lendo.
( A incrível e triste história da Cândida Enrêndida e sua avó desalmada).
Fala de um homem com asas gigantes.
Se cuide Lalo,abraço.

NAIKAN disse...

Olá,

Como gostava eu de ter conhecido esse dito abraçador... para lhe pedir que mostrasse ao mundo a magia de um abraço.

Um abraço gratuito, em que os braços são a alma que nos envolve.

"Dão-se abraços. Grátis"
Será o autor desta frase também ele um abraçador?
As mentes poluídas da nossa sociedade procuram as verdadeiras razões...
Será ladrão?? Deve ser louco… talvez?
Mas a magia de um abraço só é entendida por alguns. Os que realmente são capazes de receber a energia e o amor que tão terno acto emana. Que conhecem a sensação indescritível de se aninhar nos braços inocentes de alguém e sentir o calor do corpo e da alma que apaziguam qualquer inquietação.

Bem...e por aqui fiquei a divagar.

Prometo voltar, à procura de mais um intenso abraço.
Na&kan

[ rod ] disse...

Como não retornar a esta casa... como não me satisfazer com tanta poesia.

Vim, após uma ausência, te convidar:


Venha conferir o início de tudo.

Venha sentir o gosto dos meus...

Traga também os seus.

O antigo blog O AveSSo dA ViDa agora se chama dogMas.


dogMas...
dos atos, fatos e mitos...

http://do-gmas.blogspot.com/

Anônimo disse...

Gostei...esse abraço abraça a efemeridade das coisas!
;*

Bruno Falcão

blog disse...

O texto, como sempre, vale a leitura.
Vc é bom, camarada.
Mas acha mesmo necessário o último verso? A idéia de "sorrir levemente" não parece a vc definitiva e, ao mesmo tempo, sugestiva?

Juana disse...

muito bom (: [2]