Páginas

sexta-feira, 3 de julho de 2009

O Animal

.
.
No meio da praça olha o mundo:
As grandes invenções, as construções bárbaras,
As descobertas novíssimas, as artes genuínas,
Os grandes feitos, os grandes homens,
Os cheques grandes em bolsos pequenos.

Mas olha somente um lado:
O lado burguês, industrializado, midiático,
O lado materialista e desenvolvido
Da praticidade, da tecnologia, da acomodação,
Do não-fazer.

Alguém mostre o sertão ao animal
Ou uma criança africana desnutrida!

E ele, estático, não sabe para onde vai,
Sequer traça um caminho,
Não sabe se ri ou chora
No meio de sua praça particular.

O animal tudo vê, nada faz.
Vai existindo, somente.

Basta somente existir?
Para quê? Para quem?

Pergunta-se o animal angustiado
No auge de seus vinte anos
Em meio a muitos outros animais
Que também se limitam a existir
Fora da engrenagem do mundo,
Em suas pequenas interações sociais passageiras.

6 comentários:

Ana Karenina disse...

Sim, é preciso ser mais.
Somos insuficientes na maioria do tempo, para o mundo e para nós mesmos.

Ingrid #) disse...

"E ele, estático, não sabe para onde vai,
Sequer traça um caminho,
Não sabe se ri ou chora
No meio de sua praça particular."

genial essa parte :)

parece triste e, tal como todo poema triste, tocante.

Marcos Satoru Kawanami disse...

versos de inspiração perspicaz, tu já leu Manuel Bandeira? tudo bem, nada a ver, mas há um poema dele que alude a este que tu escreveu:


O Bicho - manuel bandeira

Vi ontem um bicho
Na imundície do pátio
Catando comida entre os detritos.

Quando achava alguma coisa,
Não examinava nem cheirava:
Engolia com voracidade.

O bicho não era um cão,
Não era um gato,
Não era um rato.

O bicho, meu Deus, era um homem.


=)
marcos

Lalo Oliveira disse...

Sim, Marcos, conheço e gosto de Bandeira, inclusive dessa poesia, que é uma das poucas que sei de cor, mas ela não tem muito a ver com a minha, pois esta é de cunho lírico enquanto aquela, social. =D

Thaysa Cordeiro disse...

a realidade somente possui existência para nós quando é nomeada, quanto mais sabemos mais temos a saber.

É triste, queremos ser explicáveis num mundo tão inexplicavel... =/

acho que não somos só seres existindo, nem animais, nem culpados pela fome, sei lá, é uma porcaria procurar culpados enquanto pessoas morrem e outras se matam.

Everaldo Ygor disse...

O animal existe, e grita também, sua poesia narra o grito - angustia social das linhas...
Saudações
Everaldo Ygor